Notícias on-line de graça?


Mais da metade dos internautas espanhóis estaria disposta a pagar por determinados conteúdos on-line. Isso é o que diz um estudo da Boston Consulting Group, que entrevistou os usuários de internet em nove países. A tendência é a mesma em todos. Isso demonstra que a estratégia de Rupert Murdoch de cobrar pelo acesso aos conteúdos de seus jornais foi uma atitude acertada.

Porém, o empresário australiano não é o único que está convencido que o futuro dos jornais on-line passa pela taxação de seus conteúdos. No mês passado, diretores de grandes jornais britânicos concluíram, em um encontro em Londres, que o futuro da imprensa está atrelado ao pagamento pelo acesso. Nesta semana o diretor do London Times anunciou o início da cobrança em seu portal.

Atualmente, a porcentagem de pessoas que pagam por algum serviço de informação na internet é praticamente insignificante, segundo os dados do estudo. Porém, as pessoas estariam dispostas a desembolsar dinheiro para ter acesso a determinadas notícias. Na Espanha, 52% dos internautas pagariam para ter acesso a conteúdos de qualidade sobre assuntos factuais. Eles pagariam também por reportagens investigativas (46%) e em terceiro lugar por notícias locais (45%).

Dependendo do país, as preferências variam consideravelmente, mas o interesse por informações locais aparece sempre. Na França, por exemplo, a imprensa regional é forte e as pessoas comprariam notícias sobre a localidade onde moram.

Os usuários dos Estados Unidos e Inglaterra também priorizam os conteúdos locais. Cerca de 63% dos americanos e 61% dos ingleses pagariam pelo serviços de últimas notícias (breaking news), que hoje são gratuitos em quase todos os portais.

Os consumidores comprariam alguns conteúdos, mas não estão dispostos a pagar muito por isso. Os espanhóis não desembolsariam mais que € 4,00, cerca de R$ 11; os britânicos, menos ainda, € 3,00. Mas, em todos os países pesquisados, uma parcela da população (11,3% – Espanha) faria uma assinatura por mais de € 10 para receber conteúdos digitais.

O estudo concluiu ainda que as edições digitais dos jornais continuam sendo a primeira opção entre os leitores para se informarem. Na Espanha, esse índice chega a 45%. Os computadores são o suporte preferidos seguidos por televisão e celular, que ganha cada dia mais adeptos.

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s