Blog de nicho e o texto de R$ 2,00


Participei do curso de Monetização de sites, do grupo www.semduvida.net, e fiquei, ao mesmo tempo, impressionado e preocupado. Como jornalista, o motivo de preocupação está relacionado ao preço que os blogueiros estão pagando para distribuir conteúdo em seus sites. São textos muito baratos, que podem custar R$ 2. Os mais “elaborados” chegam a R$ 8 e gente para produzir é o que não falta. Quem escreve para esses blogs, e os organizadores confirmaram, são pessoas engajadas, com textos bons e entregam o material em tempo recorde. Será? Veja como funciona essa fábrica de conteúdo.

Blogueiros buscam redatores para produção de textos por R$ 2,00
Blogueiros buscam redatores para produção de textos por R$ 2,00

Um grupo cada vez maior de blogueiros está conseguindo monetizar seu negócio porque trabalha com blogs de nicho e oferece respostas para os assuntos mais diversos na rede. São buscas como “perca o medo de dirigir”, “como ganhar dinheiro com blogs” ou “cursos de vinhos”. Porém, os blogueiros não precisam, necessariamente, conhecer esses assuntos. Basta contratar alguém para escrever e espalhar a informação através da lista de e-mails ou com palavras-chave do Google. A qualidade do texto é importante, mas o que está mais em jogo nesse negócio é o marketing de conteúdo. Esse termo começou a ganhar força agora. O único que pode colocar seu texto na primeira página de respostas é o robô do Google e ele não conhece lead ou sublead. Seu algoritmo irá encontrar e ranquear o texto a partir de uma série de combinações. O texto virou matemática. Simples assim.

Blogs de nicho não são, digamos, uma novidade. Basta uma passeada rápida pelos buscadores, e “especialistas” sobre os mais variados temas vão surgindo na tela. O que surpreende nesse negócio, que pode gerar uma boa renda para o blogueiro, é a capacidade que essas empresas têm em monetizar seu negócios. Basta uma boa ideia e um computador conectado à internet.

Ganhando dinheiro com o Google

O modelo de negócios que os jovens blogueiros estão implantando é simples e funciona de verdade. Para se ter uma ideia, o site www.baixaki.com.br, um dos mais conhecidos portais de downloads de aplicativos do Brasil, é o que mais fatura com esse tipo de negócio. Segundo Jonathan Taioba, empresário que administra mais de 10 sites de nicho, conta que o Baixaki chega a faturar US$ 2 mil por dia. Isso mesmo, por dia!

O processo é simples. Você escolhe um tema, cria o blog e faz o cadastro no Google Adsense. Assim, você fica habilitado a receber anúncios no seu site. Para cada anúncio clicado no seu blog, você, automaticamente, recebe um crédito. Quando acumular US$ 100, o Google deposita na sua conta corrente. São centavos de dólares que, somados, podem gerar uma boa renda.

Vou exemplificar como é o processo. Você busca a informação no Google: “como escolher um bom vinho”. Fatalmente, você terá como resposta algum blog que fala sobre o assunto. Esse blog mostra diversos anúncios (links patrocinados) perto do texto que você está interessado. Os anúncios que vão aparecer na sua tela têm relação direta com seus interesses e a chance de você clicar em um determinado anúncio é muito grande. As empresas anunciantes escolhem onde querem colocar seus anúncios e quanto querem pagar para cada clique. Os anunciantes medem todos os detalhes da campanha e podem interromper ou ampliar a publicidade quando e como quiserem.

Blog de nicho é um mercado em largo crescimento, mas não é espaço para amadores. Hoje, os blogueiros de sucesso conseguem fazer desse trabalho sua única fonte de renda. É uma lógica combinada de interesse de busca e resposta patrocinada. Blogs de nicho são vitrines que expõem anúncios com target muito bem definido, que você clica se quiser e quando quiser. É a pós-publicidade, segmentada, direta e infiltrada em milhares de canais. É invasiva, mas ao mesmo tempo é democrática. Aqui, multinacionais e empresas caseiras têm a mesma chance, competem de igual para igual. Tentam atrair consumidores para seus sites e, nesse ambiente, quem sempre sai ganhando é o consumidor. Jornalistas-blogueiros já começam em grande vantagem nesse mercado, porque credibilidade está intimamente atrelada ao texto bom e bem apurado.